Skip to content
quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Desafio de Taludes

No último dia 12/08, o grupo PET Engenharia Civil em conjunto com o Grupo de Estudos em Geotecnia, realizou a primeira edição do Desafio de Taludes. O Desafio de Taludes é um projeto que objetiva intensificar o interesse dos alunos da graduação na área da Geotecnia por meio da aplicação prática de conceitos estudados em sala de aula. Tendo isso em vista, o grupo PET realizou a primeira edição da competição que consistiu na execução de uma obra geotécnica, em modelo reduzido, simulando a construção de um talude em escala real.



Nessa primeira edição, o Desafio contou com a participação de 13 equipes, tanto da UFPR como de outras Universidades de Curitiba e de outros estados. A Universidade Positivo, a Pontifícia Universidade Católica do Paraná e a FACEAR honraram, juntamente com a UFPR, o nome da Engenharia Paranaense. A Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) também participou da competição inscrevendo 4 equipes. Ver este grande interesse dos futuros engenheiros civis pela Geotecnia faz todo o trabalho valer a pena!

Após diversos dias de trabalho exaustivo, o grupo PET Civil comemora o sucesso do evento. A classificação final da competição ficou da seguinte forma:

Nossos sinceros parabéns e votos de sucesso a todas as equipes participantes, em especial às equipes Os Taludeiros, Taludes Go e Talude Descendente, posicionadas nas três primeiras colocações. Desafiar-se, ousar e ter coragem de arriscar faz de todas as equipes legítimas vencedoras! Que as dificuldades encontradas sirvam como crescimento e aprimoramento para a futura e brilhante carreira de cada um.

A organização do evento agradece imensamente aos patrocinadores que tornaram este evento possível. À Maccaferri, parceira do início ao fim e que, em todos os momentos, mostrou-se uma empresa séria, competente e comprometida com a Engenharia de qualidade, nosso muito obrigado. O sucesso histórico da empresa se repete a cada dia, e nos engrandece poder contar com seu apoio. À Fugro In Situ, aos Institutos LACTEC e à Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (ABMS) nossos agradecimentos pelo apoio e confiança.



O sucesso de um evento deste porte só foi possível com o auxílio dos diversos alunos da graduação. O PET Civil agradece aos petianos egressos e aos alunos da UFPR que incansavelmente nos ajudaram a carregar anilhas e a desmontar os taludes, permitindo a continuidade do evento. Nosso muito obrigado, também, ao professor Vítor Faro, do DCC, que desde a concepção do projeto nos auxiliou com ideias, conselhos e também dividiu conosco muitas aflições.

Projeto pioneiro no Brasil, o Desafio de Taludes cumpriu seu objetivo. Trouxe luz à Engenharia Geotécnica, desafiou os participantes e agregou conhecimento de maneira diferenciada. Os problemas e divergências da primeira edição ficam como aprendizado para a melhoria contínua da competição. 

Afinal, como disseram vários sábios: "O futuro ainda não está escrito. Nós estamos aqui para escrevê-lo."

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

XXI ENAPET - Rio Branco/AC

Nos dias 01 a 05 de agosto de 2016, aconteceu, em Rio Branco, capital do Acre, a XXI edição do Encontro Nacional dos Grupos PET (ENAPET). O ENAPET é um evento nacional que reúne, durante uma semana, todos os grupos PET do Brasil, mostrando a diversidade do Programa e seu poder de transformação.




A Universidade Federal do Acre sediou esse grande evento em uma época conturbada para o país. Nem com todas as dificuldades existentes, os petianos de todo o Brasil deixaram de dar o seu máximo para a construção de uma educação melhor no futuro. Com o tema "Ensino, Pesquisa e Extensão: Indissociabilidade", o evento trouxe para discussão temas relevantes para a construção da Universidade brasileira no século XXI.


O primeiro dia do evento foi marcado por atividades culturais diversas através dos minicursos. Os minicursos do XXI ENAPET foram ministrados por petianos de diversas universidades do Brasil, com o objetivo de difundir os conhecimentos e culturas das mais diversas regiões brasileiras. A cerimônia de abertura do Encontro contou com a presença de autoridades da UFAC, representantes tutores e representantes discentes e, ao final destas, os presentes participaram da conferência de abertura com o seguinte tema: "Os desafios para a Universidade Brasileira no século XXI: a indissociabilidade do "Ensino, Pesquisa e Extensão"". O palestrante principal foi o professor Silvio Sanchez, o qual já esteve presente na UFPR palestrando sobre o mesmo tema. Após a fala de Sanchez, o professor João Aristeu da Rosa, ex-presidente da CENAPET (Comissão Executiva Nacional do PET), deu seu relato de experiência com a educação tutorial e com a educação brasileira em geral.



No dia seguinte, os quase 400 petianos presentes em Rio Branco deram início às deliberações do evento com o Encontro de Petianos discentes e tutores. Este encontro é uma grande oportunidade para que os petianos conheçam e estruturem suas demandas a fim de encaminhá-las à instâncias superiores, a fim de aprimorar suas atividades e os cursos de graduação nos quais estão inseridos.





O XXI ENAPET foi palco, também, da eleição da nova Diretoria da CENAPET. A CENAPET é o órgão superior dos grupos PET e é a comissão responsável pelo contato direto com o Ministério da Educação. Em eleição com chapa única, o professor Mário, tutor do PET Conexão dos Saberes da UNB, foi eleito o novo presidente da Diretoria da comissão. 

No mesmo dia, ocorreu um momento ímpar do XXI ENAPET: a apresentação de trabalhos. Esta parte do evento sempre promove uma grande troca de experiências e conhecimentos entre todos os petianos presentes. É desses momentos que muitas ideias surgem e que muitos novos projetos são criados. O contato entre cursos diferentes, entre mesmos cursos de universidades diferentes e entre universidades diferentes promove a difusão do conhecimento técnico, científico e cultural por todo o país. Conhecer o que é feito articulando Ensino, Pesquisa e Extensão nas universidades públicas brasileiras estimula as ações a fim de melhorar a qualidade do ensino superior no país.



Na quarta-feira, dia 03/08, a manhã começou cedo para os petianos em Rio Branco. Os Grupos de Discussão e Trabalho (GDT), com 10 temas distintos, reuniram-se para discutir e deliberar ações reais para solucionar os problemas que envolvem tanto os grupos PET, sua estrutura quanto a educação brasileira em geral. Nesse momento, são criados os encaminhamentos a serem votados posteriormente na Assembleia Geral.

Os dias seguintes foram ocupados com a continuidade nos trabalhos dos GDTs, atividades culturais e conferências diversas. Temas como Territorialidade, Lutas Políticas e Ensino, pesquisa e extensão: o PET para além da tecnificação do saber encheram as tardes e noites dos petianos presentes com novos e aprofundados conhecimentos.



O XXI ENAPET encerrou-se no dia 05/08, com a realização da Assembleia Geral. Com 13 horas de duração, a atividade final dos petianos nesse encontro promove um profundo aprimoramento em questões políticas e burocráticas, com estímulo a discussão e ao respeito pelas opiniões divergentes. A participação na Assembleia faz os petianos ter a certeza de que todo o trabalho realizado valeu a pena.






O PET Engenharia Civil da UFPR participou do ENAPET 2016 através de três petianos: Lucas Zorzan, Stephanie Zau e Willian Bueno. Os discentes levaram demandas da UFPR e da região Sul para o encontro nacional, além de participarem ativamente da confecção dos trabalhos científicos. A petiana Stephanie apresentou o trabalho intitulado "Intercâmbio entre grupos PET da Universidade Federal do Paraná", executado em parceria com a Comissão Executiva InterPET da UFPR.



Parabenizamos a organização do evento pela realização de mais um ENAPET, os petianos presentes por não medirem esforços na contribuição com o programa, tendo em vista todas as dificuldades, e confirmamos, desde já, a nossa presença no XXII ENAPET, a ser realizado em Brasília/DF.










sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Estudantes da UFPR projetam paraciclo em madeira para melhoria do próprio campus

Já imaginou estacionar sua bicicleta em um lugar com iluminação noturna, seguro de chuvas, roubos e outros tipos de exposições?! Ainda melhor que isso, já imaginou poder escolher qual será o novo design dos paraciclos do seu campus?


Pois é exatamente isso que será possível a partir da semana que vem, para os alunos do Campus Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná. Isso graças a uma proposta dada aos alunos do curso de Engenharia Civil da UFPR!
A ideia desenrolou-se dentro da disciplina de Estruturas de Madeira onde, o docente responsável Prof.Dr. Elvídio Gavassoni, trabalhou com os alunos através da metodologia de Aprendizagem Baseada em Projetos (PBL).  Nesta disciplina, os alunos se dividiram em equipes e tiveram de desenvolver um projeto que solucionasse um dos problemas existentes na infraestrutura do campus: A falta de segurança e iluminação dos paraciclos do Campus Centro Politécnico da UFPR.



Cada equipe fez um projeto, predominantemente em madeira, que deverá atender às condições básicas de segurança e funcionalidade e estarão sendo avaliados pela comunidade acadêmica e por professores. A ideia final, após a escolha de um dos projetos, é encaminhar à Superintendência de Infraestrutura do Campus (SUINFRA) para que este possa ser concretizado.

A divulgação das propostas e as votações para a seleção do melhor projeto ocorrerão a partir do dia 26/08. Não perca essa oportunidade de transformar o seu Campus em um lugar melhor e mais seguro, além de incentivar o uso de um modal mais sustentável!

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Curitiba: Modelo em planejamento Urbano e sustentabilidade?

Curitiba é famosa internacionalmente por ser uma cidade pioneira na implementação de um planejamento urbano sustentável. Ideias como o sistema de transporte público, bus rapid transit (BRT), o sistema de reciclagem do "lixo que não é lixo", o programa Câmbio Verde e os faróis do saber, renderam à cidade apelidos como Capital VerdeCidade mais verde na terra e Cidade mais inovadora do mundo.


Curitiba se tornou um modelo para o transporte público de qualidade

Muitos desses nomes surgiram graças a ações realizadas durante os mandados do prefeito Jaime Lerner, entre 1971–75, 1979–84 e 1989–92. Apesar de ser criticado por muitos, com seus ideais: "Se você quer criatividade, corte um zero do orçamento. Se você quiser sustentabilidade, cortar dois zeros!", o ex-prefeito e governador expôs Curitiba ao resto do mundo através de projetos ousados e inovadores.

Jaime Lerner transformou Curitiba em uma espécie de laboratório de inovações em planejamento urbano. Antes mesmo de se tornar prefeito, participou do desenvolvimento do Plano Diretor de Curitiba, que resultou no processo de transformação física, econômica e cultural da cidade. Durante seus mandatos, algumas ações memoráveis, e até mesmo polêmicas, foram a implementação do Sistema Integrado de Transporte Coletivo, a transformação da Rua XV de Novembro em um via exclusiva para pedestres, o "calçadão", a construção do Jardim Botânico de Curitiba e a Ópera de Arame, e a criação da Universidade Livre do Meio Ambiente (UNILIVRE).


Jaime Lerner
Entretanto, após esses "anos dourados" para a inovação e sustentabilidade de Curitiba, nos últimos anos a cidade vem passando por um writer's block (bloqueio criativo), e atualmente é a capital com maior índice de veículos per capita do Brasil . Lutando para se reinventar, a capital vem recebendo críticas opostas aos méritos do passado.


“Curitiba parou de inovar e está comprando coisas obsoletas ou copiando os outros. O viaduto estaiado, por exemplo, é uma cópia que foi feita da ponte de São Paulo, e de forma desnecessária. E não poderemos reconstruir com qualidade uma rede de transporte com apenas meia linha de metrô, que é o que está sendo proposto.”
Jaime Lerner, arquiteto e ex-prefeito de Curitiba.

“A cidade que diz ter mais de 100 quilômetros de ciclovia as tem esburacadas, com cruzamentos não sinalizados, e com orçamento zerado pelo prefeito há pelo menos cinco anos consecutivos. Gasta-se mais com café no gabinete do que com ciclovias.” 
Fábio Duarte, arquiteto e urbanista, professor da PUCPR 

Outros defendem a cidade como uma eterna cidade modelo, graças a suas inovações que influenciaram soluções urbanas adotadas no mundo todo.


“Ela (Curitiba) atingiu determinados níveis de excelência e foi a cidade que cirou o que hoje é conhecido como BRT (Bus Rapid Transit), o sistema que opera em canaletas exclusivas. Isso não vai mudar."[...]"Prefiro ter sempre um horizonte a buscar do que já ter ultrapassado um nível e ficar achando que não há mis nada a fazer." 
Sérgio Pires, arquiteto e designer, presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC)  
Curitiba continua sendo modelo em planejamento urbano e sustentabilidade? Ou, como diz o historiador Dennison Oliveira, as gestões municipais movidas por interesses privados e empresariais continuarão sendo entraves na qualidade de vida dos moradores da cidade?

Recentemente o jornal britânico The Guardian incluiu Curitiba numa série de artigos referentes a história da urbanização das cidades, não há dúvida que nossa capital teve um passado glorioso e é reconhecida internacionalmente, porém o ouro do passado não pode ofuscar a preocupação com os problemas do presente. 


Referências:
  • https://traveltoparana.wordpress.com/2010/01/15/curitiba-is-the-first-brazilian-city-to-win-the-sustainable-transport-award/
  • https://nextcity.org/daily/entry/cracks-in-the-curitiba-myth
  • https://www.theguardian.com/cities/2016/may/06/story-of-cities-37-mayor-jaime-lerner-curitiba-brazil-green-capital-global-icon
  • http://articles.latimes.com/1996-06-03/news/mn-11410_1_world-city
  • http://www.theecologist.org/green_green_living/2299325/curitiba_the_greenest_city_on_earth.html
  • http://www.dac.dk/en/dac-cities/sustainable-cities/all-cases/green-city/curitiba-the-green-capital/
  • http://www.archdaily.com.br/br/783642/planejamento-urbano-nao-pode-separar-transito-moradia-e-lazer-diz-jaime-lerner
  • https://en.wikipedia.org/wiki/Jaime_Lerner
  • https://en.wikipedia.org/wiki/Curitiba#Urban_planning
  • http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/sera-que-curitiba-nao-e-mais-aquela-9dmrigv03iv6ab6f3wy4biqtq
terça-feira, 16 de agosto de 2016

Concreto capaz de absorver poluição

A poluição do ar causa, a cada ano, cerca de 7 milhões de mortes no mundo todo. Segundo a Organização Mundial da Saúde, houve um aumento de 8% nos níveis globais de poluição desde 2008, mostrando que as medidas ambientais tomadas até agora não foram suficientes, principalmente nos países em maior desenvolvimento. Como engenheiros, também é de nossa responsabilidade nos adaptarmos a realidade mundial e buscar soluções para problemas como esse. Pensando nisso, o Grupo Italcementi, um dos maiores produtores mundiais de cimento, trabalha focado em inovar e criar produtos cada vez mais sustentáveis.

Um dos produtos da Italcementi é o concreto feito com a mistura de cimento com dióxido de titânio, permitindo a passagem do ar pelo concreto enquanto absorve partículas de óxido de nitrogênio, um dos principais componentes da poluição do ar. A estrutura além de ajudar a filtrar o ar ao redor permite que os resíduos absorvidos sejam carreados pela chuva, se transformando em sais inertes ao ambiente.



Esse concreto foi utilizado no Palazzo Italia, imagem acima, que se encontra na cidade de Milão. Para construção da sua fachada foram utilizados 9000 metros quadrados do concreto desenvolvido pela Italcementi. Segundo a empresa, foram necessárias 12.500 horas de pesquisa para alcançar esse resultado. Uma estimativa bem curiosa é que se 15% dos prédios de Milão utilizassem tal concreto, reduziria a poluição do ar em 50% na cidade.

Além dessa mistura inovadora, a estrutura também utilizou mármore e granito reciclado como agregado para o concreto, sendo ainda mais sustentável, e foi projetada para consumir 40% menos energia, através da colocação de painéis solares no telhado de vidro. Essas preocupações devem estar na mente de todos, principalmente de nós engenheiros.



Essa é somente uma das medidas atuais para tentar contornar a situação em que nos encontramos. Para mais informações sobre a Italmenti e seus produtos, acessar os links abaixo:

http://www.italcementigroup.com/ENG/
http://www.i-nova.net/
sexta-feira, 5 de agosto de 2016

E se você colocar água do mar no tanque do seu carro?




Por que não imaginar um futuro no qual o que sai do escapamento de nossos carros seria água e não CO²?
Todos nós sabemos que a água do mar é um dos recursos mais abundantes da Terra. Certo?Pois bem, cientistas japoneses trabalharam em uma solução que utiliza o potencial solar para transformar a água salgada em energia. Como assim? O processo produz peróxido de hidrogênio a partir da água e portanto esse material pode ser usado como células de combustível.
Os primeiros resultados das pesquisas e experimentos já viraram um artigo científico, publicado na revista Nature Coomunications. O intuito deste trabalho é encontrar alternativas mais eficientes e limpas para a produção de energia.
O hidrogênio já é bastante usado como combustível. Para tanto, para que funcione, ele precisa ser armazenado de forma altamente comprimida. Já o peróxido de hidrogênio (H²O²) pode ser armazenado na forma líquida e transportado em altas densidades, com muito mais segurança.
Com esse estudo, os cientistas japoneses conseguiram desenvolver uma célula fotoeletroquímica que produz o H²O². O processo acontece de maneira bem simples: quando a luz solar ilumina o fotocatalisador, ele absorver fótons e usa a energia para iniciar as reações químicas de oxidação, de forma a transformar a água do mar em H²O².
O processo, por sua vez,  poderia ser aplicado em água doce também. Mas, os cientistas descobriram que o grau de eficiência é muito maior com a água do mar, que chega a 48mm, enquanto a água doce fica em 2mm, isso a cada 24 horas de exposição.
Para os cientistas japoneses, esse é mais um passo em direção a descobertas que substituam a energia proveniente de gás natural e que barateiem a produção de peróxido de oxigênio, para que ele seja considerado uma fonte energética viável e eficiente.




Referências:
http://engenhariae.com.br/meio-ambiente/agua-do-mar-e-transformada-em-combustivel-no-japao/
terça-feira, 2 de agosto de 2016

Engenheiros Chineses projetam ônibus que passa por cima de carros



Você alguma vez já imaginou o transporte coletivo e o transporte privado coexistindo sem a necessidade de se reduzir um para aumentar o outro? E se você colocasse água do mar no tanque do seu carro? Que tal ruas com sinalizações de segurança inteligentes e completamente sustentáveis? Pois é. Está na hora de a engenharia te mostrar como ela ignora a ideia de "impossível".

A china é o pais mais populoso mundo. O país tem nada mais do que 1 378 857 055 habitantes, dos quais 706 940 012 vivem em cidades. Só Pequim comporta 11,5 millhões de habitantes, pouco mais que a capitão do estado de São Paulo.

Visto todos esses dados demográficos, parece inevitável que a cidade não se torne um imenso estacionamento. Então a solução seria restringir o uso de carros? O engenheiro Zhiming, engenheiro encarregado do projeto TEB, nos mostra uma segunda via.

O ousado projeto de transporte público chamado “ônibus aéreo”,  se move como um metrô, mas por conta de sua elevação, corta o trânsito, que continua normalmente por baixo.

Como este problema ocorre em muitos centros urbanos, esse transporte seria uma solução muito viável. Os trilhos seriam instalados nas laterais das vias e o ônibus “aéreo” se locomoveria por cima de outros carros. Engenheiros afirmam que a construção do Transit Elevated Bus (TEB) seria mais barata do que outros tipos de transportes, o custo não seria nem 1/5 da construção de um metrô
A (TEB) foi exposta na China Beijing International High-Tech Expo. O ônibus “aéreo” promete transportar até 1.200 pessoas e, segundo seus criadores, até o final do ano o projeto já será implantado, em Qinhuangdao City, na província de Hebei, norte da China.
Veja o vídeo do projeto abaixo.

Referências:
http://engenhariae.com.br/tecnologia/china-cria-onibus-gigante-que-podera-aliviar-transito/
http://quatrorodas.abril.com.br/materia/projeto-de-onibus-aereo-pode-ser-opcao-para-aliviar-transito-na-china
quinta-feira, 14 de julho de 2016

Intercâmbio de graça? Porque não na UFPR?

Você já pensou na possibilidade de fazer um intercâmbio de graça? Ou na oportunidade de iniciar sua carreira profissional em uma grande empresa? Conheça mais sobre os Programas de bolsas e estágios do Santander Universidades. 


O Programa de Bolsas Luso-Brasileiras é um dos mais tradicionais Programas de Mobilidade Internacional do Santander Universidades que tem por objetivo estimular o intercâmbio acadêmico e cultural entre o Brasil e Portugal. Neste ano (2016) o Programa completou sua 11º edição, beneficiando mais de 1000 alunos de instituições públicas do Brasil. Foram 165 bolsas de estudos com valor de 3300 mil euros por aluno/por semestre. Os alunos selecionados neste ano, irão viajar em agosto deste ano e retornarão em setembro de 2017. 


O Programa de Bolsas Ibero-Americanas foi criado em 2011 e conta com a integração Ibero-americana (Brasil, Peru, Argentina, Espanha, Chile, Colômbia, México, Portugal, Porto Rico e Uruguai). Neste ano foram 850 bolsas destinadas à instituições públicas brasileiras no valor de 3000 euros por aluno/por semestre. Alunos selecionados neste ano viajarão em setembro deste ano e retornarão em dezembro de 2017. 


O Programa de Bolsas Internacionais foi lançado em 2010 e beneficia cerca de 300 alunos de instituições públicas anualmente, podendo ser do Brasil, Espanha, México e Reino Unido. Estudantes da graduação e pós graduação estão convocados, porém o discente deve ter bom rendimento acadêmico, condições econômicas desfavoráveis e bons conhecimentos em outros idiomas. A bolsa equivale a 5000 euros por aluno/por semestre. As inscrições estão abertas.

banner.jpg

O Programa de estágio do Santander Universidades foi lançado em 2011 na Espanha e hoje contempla 8 países (Brasil entre eles). A bolsa tem duração de 4 meses com carga horária de 4 horas por dia com valor de R$882,00 incluindo auxílio transporte e recesso remunerado. Neste ano o programa pretende disponibilizar 1000 vagas (sendo 100 destinadas ao agronegócio)

Universidades como USP, UFRJ, UFRR, UFPE, PUC, entre outras, estão inclusas nesses programas. Mas porque a UFPR não está na lista?

Em 2011 o site da UFPR lançou nota a respeito da disponibilidade de bolsas (veja aqui)
Em 2013 três professores receberam a bolsa (saiba mais aqui), mas o que aconteceu com o vínculo entre a universidade e o banco? Porque não temos mais o benefício e como podemos correr atrás? Queremos saber mais sobre essa e outras oportunidades. 










terça-feira, 12 de julho de 2016

Fundação Iberê Camargo

No ultimo feriado do dia 26/05 foi realizado o Encontro Regional Sul dos Grupos PET, na cidade de Porto Alegre. O grupo PET Engenharia Civil da UFPR marcou presença no evento e aproveitou para conhecer a capital do Rio Grande do Sul. Um dos pontos visitados pelo grupo foi a fundação Iberê Camargo, construída às margens do lago Guaíba. A fundação foi criada em 1995 e tem como objetivo preservar e divulgar a obra do artista que dá nome a ela. Entre as atividades realizadas pela organização estão exposições e seminários, além de outros eventos que buscam estimular a interação do público com as obras ali expostas.

Nós, como futuros engenheiros civis, não conseguimos deixar de nos impressionar com a estrutura que sedia a fundação e recebe as obras. A edificação, projetada pelo arquiteto mundialmente reconhecido Álvaro Siza, chama a atenção pela arquitetura singular. Mas não é só esteticamente que o prédio se destaca. O projeto respeita todas as normas internacionais de segurança e atendimento, além de se preocupar com o meio ambiente, apresentando soluções de engenharias em vários sistemas do prédio.


Membros do PET Civil UFPR em frente ao museu
Começando pela iluminação: o prédio possui poucas janelas, basicamente a única entrada de luz natural se dá por uma clarabóia de vidro leitoso no último andar, a luz natural não é tão aproveitada na iluminação uma vez que pode vir a danificar algumas obras que eventualmente são expostas. O sistema de iluminação do prédio é todo controlado por sensores, ajustando a luminosidade para que continue a mesma em todos os horários do dia, além das lampadas serem posicionadas a fim de não produzirem sombras.

Outra peculiaridade do prédio é o reaproveitamento da água da chuva para várias finalidades. Ela é usada nos banheiros, que contam também com uma estação de esgoto, tratando sólidos e líquidos no próprio prédio. A água ainda é usada no sistema de refrigeração, circulando por paredes da edificação, ajudando a controlar a temperatura interna e enquanto economiza energia.

O controle de temperatura é outro diferencial. O ar condicionado produz gelo durante a noite, quando a energia é mais barata, usando-o para manter a temperatura regulada durante o dia. O isolamento é feito com lã de rocha, além do sistema já citado da circulação da água por meio de tubos embutidos nas paredes.

Mas é claro que a arquitetura do prédio é o que mais chama a atenção a primeira vista. O museu se ergue em um maciço de concreto branco, no qual foram usadas pedras da região para tingir o concerto, misturando curvas e retas, simetria e assimetria. Usando sistemas estruturais inovadores que garantem grandes espaços internos, contribuindo para a atmosfera do local.

Resumindo, a Fundação Iberê Camargo impressiona não só pelas obras de arte nela expostas, mas também pelas inovações que o edifício sede apresenta, propondo novas soluções de engenharia, impressionando engenheiros e arquitetos que a visitam. Sem dúvida nenhuma é um ponto turístico recomendado pelo PET Engenharia Civil da UFPR 

terça-feira, 5 de julho de 2016

Origamis para estruturas?

Saiba mais sobre o origami-resistente utilizado na Engenharia Estrutural!

Também chamada de “zippered tube”, ou tubo de zíper (este nome deve-se ao funcionamento conjunto dos tubos, que se comportam como um zíper), esta tecnologia já está sendo desenvolvida há um bom tempo por pesquisadores da Universidade de Illinois, da Universidade de Tóquio e do Instituto de Tecnologia de Geórgia. Esta técnica de construção, de acordo com os estes estudiosos, permite que uma folha de papel se transforme em uma estrutura com uma resistência de duas vezes maior que a resistência inicial.


O origami para este tipo de estrutura foi baseado na dobradura Miura-ori, que consiste em dobras ziguezagueadas das tiras de papel. Esta técnica foi criada nos anos 80 por Koryo Miura, um astrofísico japonês, e permite, através das dobras, reduzir o tamanho de uma folha de papel em um pequeno pedaço. O mais interessante neste sistema é que, quando se aplica uma força, ela se curva para qualquer lado. A rigidez da dobradura pode ser aumentada utilizando incrementos de papel, colando uma outra peça nela, formando assim um tubo.

Com a utilização de origamis na engenharia, podemos ter fachadas que alteram a sua forma e também a criação de pontes e abrigos para situações emergenciais. Além disso podem ser produzidas estruturas leves capazes de suportarem cargas de magnitude considerável.


“A habilidade de mudar funcionalmente em tempo real e uma grande vantagem do origami”, afirma Filipov. ” Tendo essas estruturas transformáveis, você pode mudar a sua funcionalidade e torna-la adaptável. Elas são reconfiguráveis. Você pode mudar as características do material: Você pode fazer com que sejam mais rígidos ou flexíveis, dependendo do uso proposto”.

O que se espera desta tecnologia, é que possam ser feitas outras combinações de tubos, com variados ângulos de dobramento, afim de construir novas estruturas. Além disso, espera-se que a técnica seja aplicada em outros materiais, como plástico e metal, para que possam ser aplicados na construção de robôs microscópicos.

Confira abaixo um vídeo ilustrativo referente à este sistema:


Para mais informações, acesse: http://gizmodo.uol.com.br/origami-super-resistente/